Boa tarde. 24 de Julho de 2017
18°MIN. 
40°MÁX.
RONDONÓPOLIS - MT
  • Curta no Facebook
  • Siga no Instagram
  • Siga no Twitter


Palestrante, Mestre em Educação pela UFMT, Assistente Social pela PUC/SP, Especialista em Gestão e Administração,Formação em Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching.


O tema Sexualidade ainda causa espanto e receio em muitos profissionais e pais que lidam com crianças e adolescentes. Muitas dúvidas e tabus. Sexualidade não se trata apenas do ato sexual, mas de diversas características que definem cada ser humano.

Adolescência! Momento tão esperado e ao mesmo tempo tão temido!

Momento em que o mundo ganha outras cores e torna-se o ideal de cada dia. Ganhar o mundo, fazer cada vez mais coisas fora de casa, ser independente é o desejo predominante na adolescência. Muito mais tempo dedicado aos amigos e menos tempo à família!

Grande parte dos conflitos entre pais e filhos adolescentes possuem essas causa, são por esses motivos. Os desentendimentos aumentam e os pais se sentem perdendo o controle sob a vida dos filhos, o que os levam a dizer que não sabem mais o que fazer com eles.

Questionamentos a respeito de si mesmos e da vida, as primeiras experiências na área sexual e o mundo do trabalho são as grandes preocupações, de modo geral, do adolescente.

Em função de toda essa complexidade, as relações familiares podem se tornar mais fragilizadas e o adolescente sentindo-se não compreendido ou não aceito em sua singularidade, sente o vazio interior aumentar na medida em que as incertezas se tornam demasiadamente angustiantes e as cobranças da família, da escola e da sociedade também aumentam. Assim, há uma grande e perigosa queda da auto estima do menino e da menina adolescente.

Segundo dados da Pesquisa Juventude, Comportamento e DST/AIDS, realizada pela Caixa Seguros, com o acompanhamento do Ministério da Saúde e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em 2014, 04 em cada 10 jovens brasileiros acham que não precisam usar camisinha em um relacionamento estável e 03 em cada 10 ficariam desconfiados da fidelidade do parceiro, caso ele propusesse sexo seguro.

“Notamos que os jovens menos vulneráveis são aqueles que conversam com os pais sobre sexualidade e que têm maior escolaridade. Mas pouquíssimos conversam com os pais sobre isso e a maioria não está estudando, repetiu alguns anos na escola. Embora eles não percebam, essa vulnerabilidade em relação à AIDS existe e é latente”, disse o coordenador da pesquisa, Miguel Fontes.

Nosso papel como pais e educadores, assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros, líderes religiosos e comunitários precisa ser sempre no sentido de possibilitar reflexão aos jovens. Precisamos lembrar que eles não são mais as crianças que eram e que aceitavam as nossas ordens com menos questionamentos, mas que estão em transformação diária, e ao mesmo tempo trazem consigo um mundo de oportunidades e de criatividade pulsante, precisando apenas de apoio e orientação.

Lembramos-nos de Leo Fraiman, psicoterapeuta e educador especialista em adolescência, quando alerta: “Anteriormente os pais tinham respeito por eles mesmos. O que falavam estava falado e ponto final. Hoje os pais não têm limites. Não é o adolescente que não tem limites, são os pais. Eles querem ir à academia, namorar, curtir a vida, cuidar da carreira e, enquanto isso deixam o filho com o terapeuta, com a babá, com o personal trainer. Ou seja: com ninguém.”

Mostrar a realidade, entender junto com eles que o mundo passa por profundas transformações e que precisamos desmistificar conceitos e padrões morais e fortalecer valores, para conseguirmos ser participativos nessa fase de grandes e sérias transformações, é nosso grande desafio! É preciso tornar-se facilitador e não mais um dificultador!

Juntos podemos construir alternativas que levem os adolescentes a entender qual seu lugar no mundo e a construir seu projeto de vida.

 

Se você gosta desse tema, ou passa por essa fase em casa ou no trabalho, participe:

Dia 17 de novembro, no Rios Hotel, às 18:00h: “Workshop : Sexualidade na Adolescência!”, com Paula de Ávila. VAGAS LIMITADAS. Inscrições pelo email: [email protected]

 

Boa reflexão!

 

Abraços!

 

 

                 Paula de Ávila

                     Mestre em Educação

 

 

 

 

 


* Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!