Boa noite. 20 de Abril de 2018
21°MIN. 
30°MÁX.
RONDONÓPOLIS - MT
  • Curta no Facebook
  • Siga no Instagram
  • Siga no Twitter
  • :
  • :


Adesão às notificações de infecções atinge 96% dos hospitais com leitos de UTI

Fonte: SES-MT | Publicado em: 16/04/2018 às 09:51
  • Compartilhe


Noventa e seis por cento dos hospitais de Mato Grosso que possuem leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) já estão notificando regularmente os casos de infecções hospitalares à Vigilância Sanitária Estadual, sendo que em Cuiabá já há 100% de adesão.

 

Em busca de chegar aos 100%, a Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio do Serviço Estadual de Controle de Infecção (SECIH), reuniu profissionais de hospitais com leitos de UTI nesta sexta-feira (13.04) em Cuiabá para discutir a prevenção e o controle de infecção, especificamente nos casos de pneumonia associada a ventilação mecânica (PAV), infecção do trato urinário (ITU) e infecção da corrente sanguínea (IPCS).

 

De acordo com Rosângela de Oliveira, da equipe técnica do SECIH, os hospitais com leitos de UTI geralmente atendem maior número de especialidades e é onde se concentram os pacientes de maior gravidade. Consequentemente, são os serviços que mais expõe seus pacientes a riscos de desenvolver infecções.

 

“Nessa perspectiva é que se justifica a priorização do monitoramento das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) e das medidas de prevenção e controle de infecção nos hospitais com leitos de UTI”, observa a técnica, acreditando que ainda este ano a notificação tenha adesão total dos estabelecimentos hospitalares com Unidade de Terapia Intensiva.

 

O médico infectologista Ricardo Franco Pereira, que atua no Hospital Regional de Sinop, falou durante a reunião sobre os cuidados que se deve ter na inserção de cateteres centrais em UTIs para que não se transformem em um foco de infecção porque o risco de mortalidade nestas situações é muito alto e também o custo da internação.

 

“Reuniões como estas são muito importantes porque a gente consegue cruzar informações, expor as falhas e aprender com elas. É muito fácil procurar informações sobre prevenção em livros e protocolos, porque às vezes, na prática, não funciona exatamente como está num texto. Então esta troca de experiências é muito válida”, comentou o infectologista, ressaltando que a estrutura dos hospitais é fundamental para que os profissionais tenham mais condições de combater as infecções hospitalares.

Perto de atingir a meta em relação aos hospitais com leitos de UTI, a Vigilância Sanitária da SES/MT implementará ações ao longo de 2018 junto aos Escritórios Regionais de Saúde (ERS) a fim de aumentar a adesão dos hospitais de pequeno porte de Mato Grosso às notificações de ocorrências de infecções hospitalares.

 

Alguns serviços iniciaram suas atividades este ano e não começaram a notificar os casos de infecção por ainda estarem em fase de implantação do serviço e outros deixaram de fazê-lo, conforme levantamento da Superintendência de Vigilância em Saúde, em face da falta de estrutura do serviço interno de prevenção e controle de infecção decorrente da crise econômica nacional.

 

O evento, que também contou com a coordenação de Dannyelle F. S. de Albuquerque, do SECIH, ainda teve apresentações da médica infectologista Kadja S.S.N.Leite, que falou sobre ventilação mecânica; da enfermeira Letícia Surdi, do Hospital Regional de Sorriso, sobre como reduzir os índices na UTI; do infectologista Flávio Basili sobre diagnóstico de infecções do trato urinário (ITU).

 

Já a enfermeira Scheila Marcondes falou sobre prevenção de ITU; a infectologista Paula Rizzo sobre Infecção Primária da Corrente Sanguínea Laboratorial (IPCSL) e Geovana Leandro, também enfermeira, fez uma apresentação sobre medidas de prevenção em IPCSL e experiência na implantação do checklist.

 

Ao final da reunião, houve a entrega de certificados aos hospitais que notificaram os 12 meses de 2017 pelo Sistema Estadual.





* Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!